Boa Tarde! São João do Piauí, 24 de abril de 2017
545cbf8f9ad3ba6e43450ec2_banner_topo.jpg
545cd42a9ad3ba6e434510c8_barra_superior.jpg 545cd48047ecb9ba42ae3ebc_linha_superior.jpg

ESPORTE

Máquina de moer técnicos: na era Messi, Argentina vai para 8º técnico, mais do que qualquer seleção grande

Muitos treinadores do mundo adorariam ter a oportunidade de treinar Lionel Messi. Desde sua estreia com a camisa da seleção argentina, porém, muitos tiveram esta chance, e acabaram não se saindo muito bem.
 
No dia 17 de agosto de 2005, José Pekerman foi responsável pela primeira chance de Messi com a camisa da seleção principal. O astro jogou apenas 47 segundos antes de ser expulso no amistoso contra o Hungria, em Budapeste.

E tão curta quanto sua estreia tem sido a trajetória dos técnicos no comando da equipe bicampeã mundial. No total, já foram oito nomes que passaram pelo time em menos de 12 anos, sendo Edgardo Bauza a última vítima, demitido nesta segunda-feira.

A opinião de Messi será muito considerada por Claudio Tapia, presidente da AFA, que fará uma viagem a Barcelona para conversar com o craque antes de ir ao encontro de Jorge Sampaoli, o provável 8º comandante da Argentina na "era Messi".

O número impressiona quando é feita a comparação com outras grandes equipes do futebol mundial. Longe de ser um exemplo de estabilidade, a seleção brasileira trocou de técnico cinco vezes no mesmo período, tendo Dunga com duas passagens no comando, enquanto o Uruguai está com Óscar Tabárez no cargo desde 2006.

Quem mais se aproxima da Argentina é a Inglaterra que, além de não conseguir resultados muito relevantes no cenário mundial, ainda teve um escândalo com Sam Allardyce. Os ingleses estão no sétimo treinador nestes 12 anos, considerando ainda Stuart Pearce, que assumiu interinamente a equipe.
 
Campeã em 2006, a Itália acumula seis treinadores no mesmo período. A Espanha, que ficou com a taça em 2010, foi comandada apenas por Luis Aragonés, Vicente Del Bosque e, atualmente, Julen Lopetegui.

O grande oposto é da equipe alemã, que tinha Jurgën Klismann como técnico em 2005 e, desde o final do Mundial de 2006, é comandado por Joachim Löw, 10ª treinador da história da equipe tetracampeã do mundo.

 Depois que José Pekerman deixou o cargo após a Copa de 2006, Alfio Basile assumiu a equipe e ficou até 2008, quando renunciou em meio à disputa das eliminatórias. Diego Maradona foi seu substituto, sendo o treinador até o final da Copa de 2010.

NADA DE TÍTULOS

Desde a estreia de Messi, a Argentina chegou à três finais de Copa América (2007,2015 e 2016), além da final da Copa do Mundo de 2014, perdendo todas as decisões.
 
Depois de Maradona veio Sergio Batista, que havia comandado Messi na conquista da medalha de ouro olímpica em Pequim, em 2008. Então, após uma campanha fracassada na Copa América, Alejandro Sabella foi contratado, comandando a equipe para a conquista da vaga na Copa de 2014, e ficando até o vice-campeonato no Mundial realizado no Brasil.

Ex-técnico de Messi no Barcelona, Gerardo Martino assumiu o banco da seleção argentina em 2014, ficando até 2016, quando, após mais uma derrota para o Chile na final da Copa América Centenário, o craque decidiu até mesmo aposentar-se da equipe nacional.
 
No dia 1º de agosto de 2016, Edgardo Bauza deixou o comando do São Paulo e tornou-se técnico da Argentina. Mesmo conseguindo convencer Messi a voltar a defender a equipe, não conseguiu os resultados esperados, viu a classificação para a Copa de 2018, na Rússia, ficar complicada, e não resistiu.

Fonte: ESPN / 

Em 11/04/2017 - 07h47

CONTATO
546a3d684e26f780049e8303_logo-topo.png
Pé de Figueira
Rua Sabino Paulo, 696 – Centro
São João do Piauí
Cep: 64760-000
Tel/Fax: (89) 3483-1607
E-mail: redacao@pedefigueira.com.br
INSTAGRAM

use a tag #pedefigueira para sua foto aparecer aqui.