Bom dia! São João do Piauí, 24 de outubro de 2017
545cbf8f9ad3ba6e43450ec2_banner_topo.jpg
545cd42a9ad3ba6e434510c8_barra_superior.jpg 545cd48047ecb9ba42ae3ebc_linha_superior.jpg

MANCHETES

Sessão histórica

As desculpas de Marcelo Castro e de outros deputados para não votar a denúncia contra Temer

Dos 513 deputados federais, 19 estavam aptos a discutir o futuro de Temer – o presidente poderia ser afastado caso o prosseguimento da denúncia fosse aprovado, mas se ausentaram. Entre os que apresentaram desculpas para não votar, estava o deputado piauiense Marcelo Castro (PMDB). Isso favoreceu ainda mais o presidente peemedebista.

A oposição precisava angariar o maior número de votos (342 no mínimo). Dos que decidiram mostrar a cara publicamente, estavam 490, que votaram na denúncia contra o presidente Michel Temer, acusado pela Procuradoria-Geral da República de ter cometido atos de corrupção. O placar final foi: 263 votos SIM; 227 NÃO; 19 parlamentares ausentes, 2 abstenções e outros parlamentares de licença médica. 

Veja as 5 principais justificativas dos deputados para faltarem à sessão:
Férias e falta proposital
 
Ex-ministro do governo Dilma Rousseff, o deputado Marcelo Castro (PMDB-PI) disse que se ausentou intencionalmente, alegando que era interesse da oposição dar prosseguimento à acusação contra Temer. Vicentinho Junior (PR-TO) afirmou, à Folha de São Paulo, que estava em férias programadas com antecedência e só retornaria ao trabalho no dia seguinte à votação. 

Problemas com voos
Dificuldades com voos foram as justificativas de pelo menos três deputados: Luciano Ducci (PSB-PR), Raimundo Gomes de Matos (PSDB-CE) e Shéridan (PSDB-RR). Ducci, ex-prefeito de Curitiba, chegou a Brasília por volta das 21 horas, quando a bancada paranaense já tinha votado e a sessão se encaminhava para o fim. Ele usou o microfone para explicar o imprevisto e disse que votaria pela admissibilidade da denúncia. O voto, no entanto, não foi computado. Em nota, Ducci disse que um problema técnico em uma aeronave atrasou sua saída de Frankfurt, na Alemanha, para São Paulo. Ele deveria chegar ao Brasil na terça-feira (1º), mas só chegou no dia seguinte, data da votação na Câmara.

A deputada Shéridan também disse que teve percalços em um voo no retorno do recesso parlamentar. Já Raimundo Gomes de Matos afirmou ter perdido um voo de Fortaleza para Brasília, e por causa do "período de férias”, não conseguiu vaga em nenhum outro horário. Porém, o jornal O Estado de S. Paulo garantiu ter visto o parlamentar no salão verde da Câmara no dia da votação. Ele estaria acompanhado do filho, o ex-vereador de Fortaleza, Pedro Gomes de Matos (PSDB).

Atraso na chamada
Dois deputados disseram que chegaram ao plenário depois de terem sido chamados para indicar o voto. São eles: Reinhold Stephanes (PSD-PR) e Marcos Reategui (PSD-AP). Por terem perdido a chamada nominal, ambos não conseguiram votar e figuraram entre os ausentes da sessão.

Problemas pessoais
O deputado Pedro Vilela (PSDB-AL) disse, ao jornal Folha de São Paulo, que estava em Brasília, mas teve um "imprevisto pessoal”, que o impediu de comparecer ao plenário para participar da votação. Porém, não deu detalhes do que teria ocorrido. Pelo menos quatro parlamentares faltaram à sessão por causa da morte de familiares: Rôney Nemer (PP-DF), Eduardo Barbosa (PSDB-MG), Alexandre Serfiotis (PMDB-RJ) e Delegado Waldir (PRB-GO) – este último ficou conhecido depois de chamar o presidente Temer de "bandido” durante as discussões da denúncia na CCJ, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

Problemas de saúde
Além do deputado Adail Carneiro (PP-CE), que estava oficialmente de licença médica e sequer constava no painel de votação, outros parlamentares também justificaram a ausência por problemas de saúde. Dejorge Patrício (PRB-RJ) passou por uma cirurgia na boca dois dias antes da sessão e ainda estava em processo de recuperação. Giovani Cherini (PR-RS) está em tratamento de um câncer e também não conseguiu comparecer ao plenário.

Votaram SIM

Da bancada piauiense, seis votaram a favor do arquivamento do processo apresentado por Rodrigo Janot, que pede a investigação do presidente Michel Temer por corrupção passiva, no caso JBS. Foram eles: Átila Lira (PSB), Heráclito Fortes (PSB), Iracema Portella (PP), Júlio Cesar (PSD), Maia Filho (PP) e Paes Landim (PTB).

Votaram NÃO

Apenas três deputados votaram a favor da continuidade do processo de investigação: Assis Carvalho (PT), Rodrigo Martins (PSB) e Silas Freire (Podemos)

Estavam de Licença

E dois parlamentares titulares do Piauí estão de licença: Rejane Dias (PT) e Fábio Abreu (PTB).

Portanto, três piauienses não votaram na histórica votação de quarta-feira (02).  

O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ) comandou a sessão na quarta-feira (2), mas decidiu não votar.

O placar final da votação registrou 263 deputados a favor da rejeição da denúncia e 227 contra. O caso acabou arquivado temporariamente e poderá ser reaberto apenas quando Temer deixar a Presidência.

Fonte: Portam AZ / 

Em 07/08/2017 - 08h01

CONTATO
546a3d684e26f780049e8303_logo-topo.png
Pé de Figueira
Rua Sabino Paulo, 696 – Centro
São João do Piauí
Cep: 64760-000
Tel/Fax: (89) 3483-1607
E-mail: redacao@pedefigueira.com.br
INSTAGRAM

use a tag #pedefigueira para sua foto aparecer aqui.